quinta-feira, 18 de junho de 2009

Francesca Woodman






Sim porque é possível liquifazer-se.  Sim porque eu também já morri. Sim eu busco. Sim eu fujo. Sim em mim, de corpo inteiro, generosamente. Sim a arte me parte. Sim, uso colo Pritt. Sim eu aceito. Sim a verdade aparece. A resposta é sim. Para todas as dúvidas, sim.  Sim, eu aceito uma cerveja. Sim sou um erro de Paralax. Sim porque sim. Sim hoje é um dia especial. É com honra que reconheço que não escolhi. Numa espécie de ordem cósmica das coisas as coisas simplesmente aconteceram assim. Sim como eu queria. Vai ver que é porque  sim eu escolhi sim. Ou não, pois sim. Mas agora há silêncio e eu preciso ouvi-lo. Sim, é um abrigo no peito. Sossego. Deitar na areia morna. Ter olhos de grandes olhos abertos. Saber piscar devagarinho.  Ser mulher é um jeito de saber o mundo. Sim eu me sento no canto com um sorriso no canto do rosto e longe daqui sou o centro de tudo. Derreter sem corpo sou tudo que te escapa. Encarar o obturador e sou tudo que te escorre. Sim que derrama no assoalho, infiltração em ti. Sou praga devastadora que te consome sem ruídos. Sou porque na verdade não posso ser. Só reflexo aflito vivo um conflito. Não sou boa companhia, já aviso. Me deixe ali naquela esquina. Sim, eu aceito outra cerveja. E te espero no balcão com sorriso para estranhos. Já de olhos cansados do fundo do mar. 



2 comentários:

aventurasavela disse...

Sim, adorei.

Ya Oliveira disse...

Reconheço esta foto, não sei de onde. só sei que também me lembra Persona de meu eterno Bergman...