sexta-feira, 6 de junho de 2008

Todos os Homens do Mundo





      Não foi paixão à primeira vista. Na verdade, da primeira vez achei mal editado, sem ritmo e um pouco confuso. 
      Mas com o passar dos programas fui sendo cativada pela doçura de Domingos de Oliveira, pelo seu olhar que olha e que vê, e de quem ouve além das palavras.
     A parceria pulsante com Priscilla Rozembaun me enche de esperanças de que realmente não existe diferença entre a vida e a arte, e principalmente entre o amor e a vida! 
    As entrevistas são generosas porque são verdadeiros encontros de pessoas interessadas umas nas outras. Beira ali um clima de mesa de bar, de camaradagem absoluta.
    Delícia ser assim surpreendida com um programa de televisão. Aliás para descrença geral da nação, a televisão anda me causando boas surpresas ultimamente. Acho que foi um jeito diferente de aproveitar o olhar do que vejo.
   Para encerrar, o texto declamado por Domingos de Oliveira em seu filme  "Separações" e que lhe caí como uma luva.


 Homem Lúcido
     O homem lúcido sabe que a vida é uma carga tamanha de acontecimentos e emoções que nunca se entusiasma com ela, assim como não teme a morte. 
    O homem lúcido sabe que viver e morrer são o mesmo em matéria de valor, posto que a Vida contém tantos sofrimentos que a sua cessação não pode ser considerada um mal.
    O homem lúcido sabe que é o equilibrista na corda bamba da existência. Sabe que, por opção ou acidente, é possível cair no abismo, a qualquer momento, interrompendo a sessão do circo.

    Pode também o homem lúcido optar pela Vida. Aí então, ele esgotará todas as suas possibilidades. Passeará por seu campo aberto e por suas vielas floridas. Saberá ver a beleza em tudo. Terá amantes, amigos, ideais. Urdirá planos e os realizará. Resistirá aos infortúnios e até às doenças. E, se atingido por algum desses emissários, saberá suportá-los com coragem e mansidão.
   Morrerá o homem lúcido de causas naturais e em idade avançada, cercado por filhos e netos que seguirão sua magnífica aventura. Pairará então, sobre sua memória uma aura de bondade. Dir-se-á: aquele amou muito e fez bem às pessoas.

    A justa lei máxima da natureza obriga que a quantidade de acontecimentos maus na vida de um homem iguale-se sempre à quantidade de acontecimentos favoráveis. O homem lúcido que optou pela Vida, com o consentimento dos Deuses, tem o poder magno de alterar esta lei. Na sua vida, os acontecimentos favoráveis estarão sempre em maioria.
    Esta é uma cortesia que a Natureza faz com os homens lúcidos.

texto Caldaico(*) do VI século a.C

Todos os Homens do Mundo
Canal Brasil
Quarta às 21h30  alternativo: Quinta às 16h30 e Sábado às 15h30

2 comentários:

Helena T. disse...

Bom saber que a partir de agora poderei ter acesso aos seus textos!
Adorei o amor e a vida...
A vida e a arte...
E o homem lúcido\1
bj e boa sorte no blog
Vamn

Loto disse...

...esse domingos, o de oliveira, reacendeu... o amor... num coração calado, cansado, vivaz!
...esse domingos, o de oliveira,ama e ...por isso, faz amar...